Preferências dos pacientes após estreitamento coronário recorrente: experimentos de escolha discreta Patients’ Preferences after Recurrent Coronary Narrowing: Discrete Choice Experiments

thumbnail.default.alt
Data
2020
Autores
Magliano, Carlos Alberto da Silva
Monteiro, Andreia Libório
Rebelo, Amanda Rebeca de Oliveira
Santos, Giovanna Francisconi Santos
Pereira, Claudia Cristina de Aguiar
Krucien, Nikolas
Saraiva, Roberto Magalhães
Journal Title
Journal ISSN
Volume Title
Publisher
Sociedade Brasileira de Cardiologia
Resumo
Fundamento: Selecionar a estratégia de tratamento ideal para a revascularização coronária é um desafio. Um desfecho crucial a ser considerado no momento dessa escolha é a necessidade de refazer a revascularização, uma vez que ela se torna muito mais frequente após a intervenção coronária percutânea (ICP) do que após a cirurgia de revascularização do miocárdio (CRM). Objetivo: Pretende-se, com este estudo, trazer reflexões acerca das preferências dos pacientes pelas estratégias de revascularização sob a perspectiva de pacientes que tiveram que refazer a revascularização. Métodos: Selecionamos uma amostra de pacientes que haviam sido submetidos à ICP e hospitalizados para refazer a revascularização coronária e elicitamos suas preferências por nova ICP ou CRM. Morte perioperatória, mortalidade a longo prazo, infarto do miocárdio e repetir a revascularização foram utilizados para a construção de cenários a partir da descrição de tratamentos hipotéticos que foram rotulados como ICP ou CRM. A ICP era sempre apresentada como a opção com menor incidência de morte perioperatória e maior necessidade de se refazer o procedimento. O modelo logístico condicional foi empregado para analisar as escolhas dos pacientes, utilizando-se o software R. Valores de p <0,05 foram considerados estatisticamente significativos. Resultados: Ao todo, 144 pacientes participaram, a maioria dos quais (73,7%) preferiram a CRM à ICP (p < 0,001). Os coeficientes de regressão foram estatisticamente significativos para o rótulo ICP, mortalidade a longo prazo da ICP, morte perioperatória da CRM, mortalidade a longo prazo da CRM e refazer a CRM. O rótulo ICP foi o parâmetro mais importante (p < 0,05). Conclusão: A maioria dos pacientes que enfrentam a necessidade de refazer a revascularização coronária rejeitam uma nova ICP, com base em níveis realistas de riscos e benefícios. Incorporar as preferências dos pacientes à estimativa do risco-benefício e às recomendações de tratamento poderia melhorar o cuidado centrado no paciente. (Arq Bras Cardiol. 2020; 115(4):613-619) Palavras-chave: Doença da Artéria Coronariana/cirurgia; Revascularização Miocárdica; Intervenção Coronária Percutânea; Angioplastia; Reestenose Coronária; Preferência do Paciente; Inquéritos e Questionários
Background: Selecting the optimal treatment strategy for coronary revascularization is challenging. A crucial endpoint to be considered when making this choice is the necessity to repeat revascularization since it is much more frequent after percutaneous coronary intervention (PCI) than after coronary artery bypass grafting (CABG). Objective: This study intends to provide insights on patients’ preferences for revascularization, strategies in the perspective of patients who had to repeat revascularization. Methods: We selected a sample of patients who had undergone PCI and were hospitalized to repeat coronary revascularization and elicited their preferences for a new PCI or CABG. Perioperative death, long-term death, myocardial infarction, and repeat revascularization were used to design scenarios describing hypothetical treatments that were labeled as PCI or CABG. PCI was always presented as the option with lower perioperative death risk and a higher necessity to repeat procedure. A conditional logit model was used to analyze patients’ choices using R software. A p value < 0.05 was considered statistically significant. Results: A total of 144 patients participated, most of them (73.7%) preferred CABG over PCI (p < 0.001). The regression coefficients were statistically significant for PCI label, PCI long-term death, CABG perioperative death, CABG long-term death and repeat CABG. The PCI label was the most important parameter (p < 0.05). Conclusion: Most patients who face the necessity to repeat coronary revascularization reject a new PCI, considering realistic levels of risks and benefits. Incorporating patients’ preferences into benefit-risk calculation and treatment recommendations could enhance patient-centered care. (Arq Bras Cardiol. 2020; 115(4):613-619) Keywords: Coronary Artery Disease/surgery; Myocardial Revasculariz
Description
Palavras-chave
Doença da Artéria Coronariana/cirurgia, Revascularização Miocárdica, Intervenção Coronária Percutânea, Angioplastia, Reestenose Coronária, Preferência do Paciente, Inquéritos e Questionários, Coronary Artery Disease/surgery, Myocardial Revascularization, Intervention Coronary Percutaneous, Coronary Restenosis, Patient Preference, Surveys and Questionnaires
Citação
Magliano CAS, Monteiro AL, Rebelo ARO, Santos GF, Pereira CCA, Krucien N, Saraiva RM. Preferências dos pacientes após estreitamento coronário recorrente: experimentos de escolha discreta. Arq Bras Cardiol. 2020; 115 (4):613-619.